Enter your keyword

Poema: “No ballet das águas”.


Comparo o oceano, que insistem em pintá-lo de azul
à imensidão de meu grande amor.
Espelha certezas secretas, m’alma transcende em fúria alegria e morte furor.

A luz celeste desenha nas águas
a canção de um sol sublimado em tons dourado;
As nuvens escondem a partitura, escrita com o pisar do pé molhado.

No ato “gran finale” dos lençóis sem cor,
A dança dos cardumes apresenta o ballet.
Valsam com humor peixes, corais e recifes
Ao som da sinfonia das brisas do bem-me-quer e do mal-me-quer.

O sol incide no mar
À sombra de meu pensamento.
Insiste nas águas dançar
A cadência espumada de vil sofrimento.

2 comentários:

Marcos Tavares disse...

Belíssimo!!!

Adoro poesias que colocam elementos bilógicos!!!

Parabéns!!

Jéssica Azevedo disse...

Ha amor ...q lindo mesmo...como sempre vc é D+...ainda mais quando se trata de amo....pq nisso vc é MARA...bom amei mesmo...mas como sempre vc tinha q colocar o nome de sua cidade preferida...ARECIFE....kkkkkkkkkkkkkkk
bjssssssssssssssssss