Enter your keyword

Artigo de Opinião: IGREJA versus ABORTO; um embate dogmático milenar.


Vítima de violência sexual, uma criança foi BRUTALMENTE molestada pelo padastro Jaílson José da Silva, de 23 anos. Por ocasião do estupro, gerou-se uma gravidez precocemente forçada. Aos nove anos a menina, apoiada no item da constituição federal que prevê a legalização do aborto em casos de abuso, efetuou o interrupção de sua gestação de gêmeos no Hospital Cisam (Recife-PE). Daí o fato que relança os olhos da sociedade civil para a discussão ABORTO versus dogmas da IGREJA CATÓLICA.


O fato ocorrido na capital recifense com a então garota ganhou repercussão nos principais jornais do planeta. Sustentada na ordem clerical católica, o Arcebispo de Olinda e Recife D. José Sobrinho ratificou o ponto de vista do Vaticano e defendeu incisivamente o "direito à vida", praticando ainda o velho "tapa-olhos" da excomunhão daqueles que foram os responsáveis pelo cumprimento do bem estar físico, moral e psíquico de uma mãe de 9 anos de idade. Como quem conhecia o caso a fundo, o religioso argumentou que outras iniciativas poderiam ter sido realizadas pelos médicos "excomungados" a fim de prezar pela vida da criança mãe e das crianças filhos.


Decerto as crianças em nada são culpadas pelo ocorrido. No entanto, talvez se constituísse numa temeridade permitir o nascimento destes seres inocentes em virtude da situcionalidade do desagravo. Como seria para a "mãe criança" cuidar de outras crianças junto à companhia paterna de um marido-padrasto e indigno de ser chamado de marido, de padrasto e de pai? Inusitado ainda é o fato da excomunhão dos profissionais da área médica e a não excomunhão do pai-padrasto. Como diz popularmente: Vai entender a cabeça desses homens que se julgam como os representantes de Cristo na Terra...


O que existe de verdade nesta triste circunstancia é somente a certeza de que a Igreja Católica continua na tentativa de oprimir todos os direitos humanos que contrariem os seus incontestáveis princípios ideológicos. Muito mais do que uma questão de defesa do direito à vida e de imposição dos dogmas divinos ante a lei do homem, essa é uma questão de questionamento dos valores morais de uma instituição que há muito perde fiéis e a sua identidade filosófica cristã e que, ainda assim não se cansa de seu egocentrismo medieval.

Um comentário:

Marcos Tavares disse...

Concordo com o seu ponto de vista Tiago!

Você escreve muito bem! Torna a leitura extremamente agradável até mesmo para pessoas de outras áreas!

Conituarei visitando seu blog.

Parabéns!