Enter your keyword

Poema: "Ecos de não".


No coração de um entendido,
O amor se faz presente
Como quem diz ao pé do ouvido
Queima e me dilacera mar ardente.

Propago o eco dos que amam sem cúpido,
Dos que falam e disfalam com razão.
Sou de novo, uma onda ao pé do ouvido
Sussurrando e escutando - palpita paixão.

Feliz és tú Adão.
Vós que do paraíso foste expulso,
Mas provaste da libido em comunhão.

Eu, pobre mortal sou apenas joio,
Semente amarga e bendita deste pão,
Pago teu ato profano de ser trigo, de ser não.



Poesia publicada também na Seção Poesias/Tristeza do site Recanto das Letras (
http://recantodasletras.uol.com.br/poesiasdetristeza/1737958).

Nenhum comentário: