Enter your keyword

Poema: " MEL".

Em furor de chama fosca

Tento desfazer o segredo do açúcar.

Tome nota dos ingredientes:

-Como se não fosse cana,

Disfarce-se de mel

Corrompido doce vil.



Nas engendras do melaço

Borrife primeiro, fumaças de engenho

Lembranças verdes, azuis, sol,

e em fogo brando,

destempere um ou dois dedinhos de cinza

para que o fel não seja ouro.



Aqueça a mente de suspiros.

Unte em fôrma de poesia livre

a persistência, a simplicidade e a audácia,

principalmente esta

Para que não te alcunhem.



Feito assim,

prepare a mesa com as vestes do sonho

e reúna todas as formigas que pelo teu doce se atraem.

Elas sabem de cor e salteado o que de bom tu tens.

E não te abandonarão ainda que sejas o ultimo grão.

2 comentários:

Gêh disse...

Meu Deus! Meu amigoo é um super poeta!! \o/
Muito liiindo!
Coisas de Naza City... *.*
Parabéns, migo!
Bjs!

Nilson Vellazquez disse...

Porra! Muito bom, Thiago!

Parabéns!