Enter your keyword

Poema: Fuga do retrato



Da vez, vi meus olhos na fotografia
a imagem de ti não mostrava
registro nem lastro da cor singular.

Tua pele ali transplantada
era espasmo, contraste e borrão
dos sonhos e plasmas do tempo.

Da voz em lábios miúdos
o flash esqueceu de guardar,
deixava somente em sorriso
aquilo e por quês talvez me dirias.

Não fosse o ciclo emoldurado
libertava-te da natureza morta da maça;
e com um beijo contemplaria o pulso,
da vida fugindo ao flerte do imóvel.



Poema publicado também no site Recanto das Letras, na seção Poesias (AQUI).

Nenhum comentário: