Enter your keyword

Achei na NET da "ressaca" vai de Vinícius de Moraes.



Não fosse a "ressaca" latente nas editorias de publicações diárias espalhadas nos quatro cantos do Brasil, poderíamos comentar hoje no Achei na NET sobre algum texto que tivesse enfatizado o gesto obsceno da mais nova queridinha da música "mundial" Adele durante show (parece que o sucesso já está subindo os tamancos). Ou ainda, em nível nacional (ave nosso provincianismo), a vergonha protagonizada ontem por alguns imbecis durante a apuração dos votos do desfile das escolas de samba de São Paulo - De fato Criolo estava certo, a levar por esse triste episódio de ontem: "Não existe amor em SP" #fato.

Mas como neste instante impera uma quase tristeza (tem gente caindo em lágrimas porque o carnaval terminou- aff), vamos nesta quarta-feira com o texto do boêmio poetinha brasileiro - Vinícius de Moraes, com seu Soneto de quarta-feira de cinzas. Se você leitor(a) está amando e encontrou seu par durante a festa de momo, caso o romance resista até amanhã e ela(e) te ligar, comemore, solte fogos, do contrário, guarde a lembrança e fique no poema (AQUI) reproduzido. Inté.



Por seres quem me foste, grave e pura 
Em tão doce surpresa conquistada 
Por seres uma branca criatura 
De uma brancura de manhã raiada 

Por seres de uma rara formosura 
Malgrado a vida dura e atormentada 
Por seres mais que a simples aventura 
E menos que a constante namorada 

Porque te vi nascer de mim sozinha 
Como a noturna flor desabrochada 
A uma fala de amor, talvez perjura 

Por não te possuir, tendo-te minha 
Por só quereres tudo, e eu dar-te nada 
Hei de lembrar-te sempre com ternura.

Rio de Janeiro, 1941.

Nenhum comentário: