Enter your keyword

Aquífero

Chove no asfalto,
na bolha do vidro,
no que fica para trás.

Chove na face do rosto,
no sorriso da menina,
no aconchego da nuvem.

Chove nos campos de cachoeira,
na metade da maçã,
no espasmo do açaizeiro.

Chove na poça da lama,
no pedaço do papel
e no verso inundado do poema.



Poema publicado também no Site Recanto das Letras, seção Poesias (AQUI).



Nenhum comentário: