Enter your keyword

Deles





Meio mais de sobras inteiras,
limpas diante de famintos
mentindo ao ronco da fome.

Meia-luz de chorume e odor
fumega e caçoa poderosa
como no antro de Bataclan.

Poder que constrói e degela,
congela a vista da justiça
sem avistar a mão pedinte. 

Meia-verdade, um conchavo, completo e cênico beija-mão
replica contínuo, jamais faz.


Poema publicado também no Site Recanto das Letras, na seção Poesias (AQUI).


Nenhum comentário: